PR defende reforma da Justiça para não comprometer estado de direito

O presidente são-tomense defendeu hoje a "urgente necessidade de reforma da Justiça" no país, mas sem associá-la a decisão governamental de contratar inspetores judiciais portugueses e angolanos para auditarem o funcionamento dos tribunais e do Ministério Publico.

"Estou firmemente convicto de que, quando se coloca em causa o sistema judicial, em ultima instancia, estará também em causa, por maioria de razão, o próprio estado de direito democrático e esse é um caminho perigoso que urge abandonar", disse Manuel Pinto da Costa na abertura do ano judicial.

Segundo o presidente são-tomense, "quando se questiona permanentemente a credibilidade, a transparência e, sobretudo, o eficaz funcionamento" do sistema de Justiça, "fica irremediavelmente comprometida a relação de confiança entre os cidadãos em geral e o Estado".

"Fica em crise o rigor e a segurança do comércio jurídico para os diversos agentes económicos, tudo com impacto profundamente negativo na confiança dos parceiros internacionais", acrescentou Pinto da Costa.

O chefe de Estado são-tomense propõe "um debate sereno e desapaixonado" sobre o funcionamento da Justiça e "sobre as medidas necessárias para que esta possa corresponder as legítimas expetativas dos cidadãos".

Pinto da Costa considera que a eficácia, transparência e credibilidade do sistema de Justiça são-tomense depende da relação de confiança em que se baseará a resolução dos principais estrangulamentos ao desenvolvimento do arquipélago.

O primeiro-ministro, Patrice Trovoada, sublinhou a necessidade de "melhorar a qualidade, quantidade e eficácia das prestações" da Justiça, pelo que a inspeção dos tribunais "tornou-se um imperativo".

"Inspeções vinculativas e auditorias são urgentes, inadiáveis, e convenhamos que por si essas ações podem aliviar o clima da nossa Justiça", disse o primeiro-ministro, considerando que os tribunais "terão definitivamente de dar uma imagem de seriedade e de retidão" e que "a reforma é inadiável".

No entender do governo, a melhoria do sistema judicial "é também uma exigência da comunidade financeira internacional pública e privada, uma insistência constante do maior gabinete de consultoria internacional para o desenvolvimento".

"Consideramos que é muito desejável que uma reforma com essa ambição possa beneficiar do mais vasto consenso apoio dos diversos interventores no processo judiciário sem drama sem receio, sem rancores ou humilhação", acrescentou o chefe do executivo.

Trovoada sublinhou ainda: "Tem de haver vontade politica, baste a hipocrisia. Difícil será convencer este governo do contrário, a arvore não pode continuar a esconder a floresta, a Justiça não tem como não mudar".

MYB.

Lusa/fim.

Fonte: Jornal Noticias.sapo.ao

Demografia
Demografia
Do total da população de São Tomé e Príncipe, com aproximadamente 187.356 habitantes (Censo 2012) [...] Foto:...
Venha Conhecer São Tomé e...
Venha Conhecer São Tomé e...
São Tomé e Príncipe é um destino ideal para conhecer uma África amável [...] Foto: Cruza Mundos São Tomé...
Ússua
Ússua
Nasceu no início do século XX, sendo uma dança praticada pelos "filhos da terra" de inspiração europeia:...
O País Lusófonia Política Economia Sociedade Desporto Educação Cultura Multimédia Saúde
Cultura Angola     Embaixadas Futebol        
Demografia Brasil   Turismo Serviços Basquetebol   Gastronomia    
Geografia Cabo Verde   As praias Emprego Ciclismo   Folcrore    
História Guiné Bissau   Ecoturismo Imobiliário Canoagem   Festas Locais    
Clima  Moçambique   A Capital Meteorologia  Clubes        
Fotos  Portugal      Tecnologia Taykwondo        
  Timor     Links Úteis Capoeira        
  S.Tomé e Príncipe       Xadrez        

© 2015 STP Digital Lda. Todos os direitos reservados. | Desenvolvimento por Albatroz Digital | Manutenção por STP Digital Lda | Termos e Política de Privacidade | Publicidade