República Democrática de Timor Leste

Designação Oficial: República Democrática de Timor-Leste

Capital: Díli

Outras cidades importantes: Lospalos, Baucau, Viqueque, Manatuto, Aileu, Same

Data da Independência: 28 de Novembro de 1975

Unidade monetária: Dólar norte-americano (USD). Para facilitar as trocas comerciais.

Lema: Honra, Pátria e Povo

Hino Nacional: Pátria

Língua: Português e Tétum

Gentílico: Timorense.

Timor-Leste é um dos países mais jovens do planeta Terra, e ocupa a parte oriental da ilha de Timor no extremo sudeste da Ásia, além do enclave de Oecussi-Ambeno, na costa norte da banda ocidental de Timor, da ilha de Ataúro, a norte, e do ilhéu de Jaco ao largo da ponta leste da ilha. As únicas fronteiras terrestres que o país tem ligam-no à Indonésia, a oeste da porção principal do território, e a leste, sul e oeste de Ocussi, mas tem também fronteira marítima com a Austrália, no Mar de Timor, a sul. Sua capital é Díli, situada na costa norte.

Conhecido como Timor Português, foi uma colônia portuguesa até 1975, altura em que foi invadido pela Indonésia. Permaneceu considerado oficialmente pelas Nações Unidas como território português por descolonizar até 1999. Foi, porém, considerado pela Indonésia como a sua 27.ª província com o nome de “Timor Timur”. Em agosto de 1989, cerca de 80% do povo timorense optou pela independência em referendo organizado pela Organização das Nações Unidas.

Geograficamente, o país enquadra-se no chamado sudeste asiático, enquanto do ponto de vista biológico aproxima-se mais das ilhas vizinhas da Melanésia, o que colocaria na Oceânia e por conseguinte, faria dele uma nação transcontinental.

Timor-Leste, geralmente tido como um dos países mais pobres do mundo (o mais pobre é Serra Leoa), enfrenta uma série de problemas na tentativa de reconstruir a sua economia em decorrência da devastação infligida sobre o país após a independência. Um decréscimo na ajuda internacional levou a uma contração do PIB durante o período de 2002 a 2004. Sob liderança internacional, muito do setor de agricultura timorense de razoável eficiência foi convertida de colheitas de subsistência para colheitas de renda, com o intuito de criar uma economia orientada para a exportação. Essa opção tem falhado devido aos baixos preços do mercado internacional nas culturas escolhidas para a exportação, como o café, que enfrenta uma baixa de 20 anos. Por causa dessa política e sentindo a falta de suas antigas colheitas de subsistência, Timor-leste começou 2005 com uma ausência crônica de alimentos. Cerca de 70 por cento da sua população passa fome e houve pelo menos 58 casos confirmados de morte por inanição.

Em paralelo a essa contracção do PIB, os preços ao consumidor cresceram em quatro a cinco por cento em 2003/04. Estima-se que 50 por cento da população está desempregada.

Esperanças de um futuro melhor estão depositadas no desenvolvimento da exploração de reservas de petróleo no oceano que já rende ao governo mais de 40 milhões de dólares anuais de renda e o sucesso na exportação de produtos da agricultura.

O líder da resistência timorense, José Alexandre Gusmão, mais conhecido como Xanana Gusmão, é também o maior nome da poesia do país. Em 1973, antes mesmo da Revolução dos Cravos, Xanana Gusmão já se destacava na literatura, chegando a receber o Prémio Revelação da Poesia Ultramarina. Contudo, foi a Guerra Civil Timorense, iniciada em 1975, que despertou em Gusmão a necessidade de expressar-se através da escrita. Entre 1977 e 1979, ele publicou dois livros: “Pátria e Revolução” (cujo título tornar-se-ia o lema da luta no país), e “Guerra, Temática Fundamental do Nosso Tempo”, no qual ensaia todas as características das chamadas Guerras Populares, descrevendo o papel de um líder carismático na condução de seu povo.

Xanana Gusmão também consolidou-se como um forte expoente da pintura timorense, tendo desenvolvido essa actividade principalmente enquanto esteve preso. As suas telas retratam essencialmente as paisagens de Timor, enfocando as suas tradições, o jeito simples do seu povo, a sua felicidade. A sua pintura mais conhecida é “Aldeia Típica de Timor”.

Outros escritores importantes de Timor são: Luís Cardoso, Fernando Sylvan, Jorge Lauten, Francisco Borja da Costa, Jorge Barros Duarte, João Aparício, Ponte Pedrinha – pseudónimo de Henrique Borges, Fitun Fuik e Afonso Busa Metan. Poemas, contos e crônicas de alguns desses autores encontram-se reunidos no livro “Timor Leste – Este País Quer Ser Livre”, organizado por Sílvio Sant’Anna, da Editora Martin Claret.

Página Oficial da Presidência da República: www.presidencia.tl

Portal do Governo: www.timor-leste.gov.tl

Fonte: Portal Lusoafrica

 

República de Guiné Bissau

Designação Oficial: República de Guiné Bissau

Capital: Bissau

Outras cidades importantes: Bafatá, Gabú, Mansôa, Catió, Cantchungo, Farim

Data da actual Constituição: Aprovada em 16 de Maio de 1984, foi revista em Maio de 1991, Novembro de 1996 e Julho de 1999

Unidade monetária: Franco (CFA)

Lema: Unidade, Luta, Progresso

Língua: A língua oficial é o Português, utilizando-se localmente o Crioulo, Mandjaco, Mandinga, entre outros

Hino Nacional: Esta é a nossa Pátria bem Amada

Gentílico: Guineense

A Guiné-Bissau situa-se na Costa Ocidental de África e tem cerca de 80 ilhas que constituem o arquipélago dos Bijagós. Tem aproximadamente 1.345.000 habitantes, sendo 45% muçulmanos, principalmente falantes de Fula e Mandinka. O seu interior é formado por savanas, e a costa por planície pantanosa.

Tem um clima tropical, normalmente quente e húmido e o período de chuvas alterna-se com outro de seca, com ventos quentes vindos do deserto do Saara. Na agricultura tem a produtividade de arroz, farinha, feijão, tapioca, castanhas de caju, amendoim, sementes de palma, algodão, madeira e pescado.

Recursos económicos:

A Guiné-Bissau depende fortemente da agricultura e da pesca (cerca de 62% do PIB). O preço das castanhas de caju aumentou e hoje o país encontra-se em sexto lugar na produção mundial do produto. A Guiné-Bissau exporta peixe e mariscos juntamente com amendoim, semente de palma e produtos das actividades extractivas florestais. As licenças para a pesca são uma fonte de receitas do governo. O arroz é o cereal mais produzido e comida típica. O turismo é, também, uma aposta crescente do país.

Portal do Governo: www.republica-da-guine-bissau.org

Fonte: Portal Lusoafrica

República Federativa do Brasil

Designação Oficial:República Federativa do Brasil

Capital: Brasília

Outras cidades importantes: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza, Curitiba, Recife, Manaus, Porto Alegre e Belem

Data da actual Constituição: Outubro de 1988. Alterações introduzidas posteriormente

Unidade monetária: Real (BRL)

Lema: Ordem e Progresso

Hino Nacional: Hino do Brasil

Língua: Português

Gentílico: Brasileiro

A República Federativa do Brasil é o terceiro maior em área e o segundo mais populoso país das Américas e o quinto maior em área e população do mundo. Sua área total é de 8.514.876,599 km² e localiza-se na parte centro-oriental da América do Sul. Suas fronteiras ao norte são com a Venezuela, a Guiana, o Suriname e com o departamento ultramarino francês da Guiana Francesa; a leste e sudeste faz fronteira com o Oceano Atlântico. Ao sul, limita com o Uruguai; a sudoeste, com a Argentina e o Paraguai; a oeste, com a Bolívia e o Peru, e a noroeste, com a Colômbia. Os únicos países sul-americanos que não fazem fronteira com o Brasil são o Chile e o Equador.

Recursos económicos:

Pelo facto de a industrialização se concentrar no triângulo formado por Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, e de as vias de transporte serem precárias devido à extensão geográfica e à ineficiente rede rodoviária, o desenvolvimento económico entre as regiões reflectem-se nas condições sociais, acentuando as discrepâncias na distribuição de riqueza e de oportunidades de trabalho.

A actividade é variada e tem como produtos de destaque café, banana, cacau, tabaco, açúcar, feijão, citrinos, milho, soja, algodão, arroz, trigo, batata e mandioca. O Brasil ocupa posições de destaque mundial na produção dessas culturas.

Nos anos 1930, o cultivo do café representava 80% da sua receita por exportações e mais de metade da produção mundial. Na década de 1990, o peso do café na economia brasileira foi reduzido significativamente, mas o país ainda conserva posto de primeiro produtor mundial. Na produção de cana-de-açúcar, soja, milho e cacau, o Brasil ocupa as primeiras posições. Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Bahia são os principais estados agrícolas. Embora figure entre os principais produtores mundiais, o Brasil não aproveita o potencial das áreas cultiváveis. Ainda existem várias regiões aráveis como a bacia Amazónica e o Oeste do país.

A exploração florestal é importante. Cerca de 60% da superfície do país é florestal. O Brasil é o primeiro produtor sul-americano de caucho e tem uma relevante reserva de pinheiros no Paraná, que serve de matéria-prima para as indústrias madeireira e de papel. Também exporta outras espécies, como o cedro e a nogueira.

Ainda em relação ao sector primário, a pecuária tem demonstrado uma evolução nas últimas década com a modernização das técnicas e a formação profissional. O país é o primeiro produtor mundial de carne.

No sector mineral, o Brasil possui a segunda maior reserva de ferro do mundo em Minas Gerais e Pará (serra dos Carajás), além de manganésio, crómio, níquel, carvão, fosfatos, cobre, urânio e bauxite. Também possui reservas petrolíferas e tornou-se recentemente auto-suficiente nesse sector. Devido ao relevo hidrográfico acidentado, mais de 90% da energia consumida no país é proveniente de hidroeléctricas.

O sector secundário gira em torno das indústrias automobilísticas, siderúrgica, têxtil, química, de derivados agropecuários (açúcar, cacau, café, carne) e metalúrgica (aço, alumínio, ferro, zinco, chumbo).

Transportes e serviços financeiros são as actividades de maior destaque, favorecidos por 42,3 mil km de rios navegáveis, pela rede de estradas, com uma extensão de quase 1,5 milhões de km – dos quais 31 mil km de ferrovias. Os seus principais portos localizam-se em Santos, Vitória, Rio de Janeiro, Paranaguá, Porto Alegre, Recife, Belém, Macapá e Salvador.

A partir da crise energética dos anos 1970, o Brasil experimentou um crescente défice na sua balança comercial – até 2001, quando apresentou um superavit. Ao mesmo tempo, o Estado contraiu uma enorme dívida externa. Nos anos 1990, as taxas de juros mantiveram-se altas para atrair capital, ocasionando estagnação económica.

No Turismo, o Brasil tem também aplicado uma política com grande dinamismo tanto a nível nacional como internacional.

Página da Presidência da República: www.presidencia.gov.br

Portal do Governo: www.brasil.gov.br

Missão Permanente Junto à CPLP: www.delbrascplp.itamaraty.gov.br/pt-br

Fonte: Portal Lusoafrica

República de Angola

Designação Oficial: República de Angola

Capital: Luanda

Outras cidades importantes: Huambo, Lobito, Cabinda, Benguela, Lubango, Malange

Data da actual Constituição: O MPLA adoptou uma Constituição de Independência em Novembro de 1975, alterada em Outubro de 1976, Setembro de 1980, Março de 1991, Abril e Agosto de 1992 e Novembro de 1996

Língua: A língua oficial é o Português. São falados outros idiomas, sobretudo o Umbundo, Kimbundo, Kikongo e Tchokwé

Unidade monetária: Kwanza (Kz)

Lema: Virtus Unita Fortior ( latim: A Unidade dá Força )

Hino Nacional: Angola Avante!

Gentílico: Angolano

Angola é um país da costa ocidental de África e está dividida em 18 províncias: Bengo, Benguela, Bié, Cabinda, Kuando-Kubango, Kwanza-Norte, Kwanza-Sul, Kunene, Humbo, Huíla, Luanda, Lunda-Norte, Lunda-Sul, Malanje, Moxico, Namibe, Uíge e Zaire.

Tem cerca de 15.941.000 de habitantes, sendo 90% dessa população negros e 10% brancos e mestiços. Angola foi uma colónia portuguesa até 1975 e esteve em guerra desde 1961 até 2002.

O país está dividido entre uma faixa costeira árida, um planalto interior húmido, uma savana seca no interior sul e sueste, e floresta tropical no norte. Existe uma estação das chuvas curta, os verões são quentes e secos, e os Invernos são temperados.

A economia de Angola caracteriza-se por ser predominantemente agrícola, sendo o café sua principal cultura. Seguem-se-lhe cana-de-açúcar, sisal, milho, óleo de coco e amendoim.

Angola também é rica em minerais, destacando diamantes, petróleo e ferro. Na cultura de Angola pode-se destacar a dança, onde se distingue diversos géneros, significados, formas e contextos, igualando o aspecto agradável com a sua condição de veículo de comunicação religiosa, curativa, ritual e mesmo de intervenção social; a música, com diversos estilos como o merengue angolano, kazukuta, kilapanda e semba. O semba, que partilha raízes com o samba, é também predecessor da kizomba e kuduro; e também a literatura e o cinema angolano.

Portal do Governo: www.governo.gov.ao

Fonte: Portal Lusoafrica

República Democrática de São Tomé e Príncipe

Designação Oficial: República Democrática de São Tomé e Príncipe

Capital: São Tomé

Outras cidades importantes: Santo António, Santa Cruz, Neves, Trindade, Guadalupe, São João dos Angulares

Língua: A Língua oficial é o Português. Localmente, também se fala Crioulo

Unidade monetária: Dobra (STD)

Hino Nacional: Independencia Total

Gentílico: Santomense

São Tomé e Príncipe é um estado insular localizado no Golfo da Guiné, composto por duas ilhas principais (São Tomé e Príncipe) e várias ilhotas, num total de 1001 km², com aproximadamente 206 mil habitantes. Estado insular, não tem fronteiras terrestres, mas situa-se relativamente próximo das costas do Gabão, Guiné Equatorial, Camarões e Nigéria.

Recursos económicos:

A principal actividade económica é a agricultura, que produz cacau, óleo de palma, café e coco e na pesca.

A recém-descoberta de jazidas de petróleo nas suas águas pode constituir uma importante fonte de receitas e de energia no futuro.

São Tomé e Príncipe também aposta no turismo quer favorecer a qualidade, propondo um quadro único de descoberta, preservando o melhor possível as suas paisagens luxuriantes, a sua arquitectura singular e, sobretudo, a sua calma.

Página da Presidência da República: www.presidencia.st

Portal do Governo: www.gov.st

Fonte: Portal Lusoafrica

República de Cabo Verde

Designação Oficial: República de Cabo Verde

Capital: Cidade da Praia

Outras cidades importantes:Mindelo, Assomada, S. Filipe

Data da actual Constituição: 25 de Setembro de 1992. Foi revista em Julho de 1999

Língua: A língua oficial é o Português, utilizando-se localmente o Crioulo

Unidade monetária: Escudo de Cabo Verde (CVE)

Lema: Unidade, Trabalho, Progresso

Hino Nacional: Cantico da Liberdade

Gentílico: Cabo-Verdiano

Cabo Verde é um país africano constituído por dez ilhas. Foi descoberto por Portugal no século XV e é um arquipélago de origem vulcânica. Tem cerca de 420.979 habitantes e um turismo crescente, principalmente na Ilha do Sal e na Ilha de Santo Antão. Arquipélago que pertenceu a Portugal desde sua descoberta, tornou-se independente em 1975. Cabo Verde está dividido em 22 concelhos: Boa Vista, Brava, Maio, Mosteiros, Paul, Porto Novo, Praia, Ribeira Grande, Sal, Santa Catarina, Santa Cruz, São Domingos, São Filipe, São Miguel, São Nicolau, São Vicente e Tarrafal.

Solo de montanhas clivosas coberto de cinzas vulcânicas, pouca vegetação cresce nas ilhas; ainda há um vulcão activo que deu origem à ilha do Fogo. O clima é quente e seco com médias anuais de 20º/25ºC e em Janeiro e Fevereiro sofre a acção das tempestades de areia vindas do Saara.

As ilhas de Cabo Verde têm poucos recursos. Os mais relevantes são a agricultura, frequentemente afectada pelas secas, e a riqueza marinha do arquipélago. Na cultura têm a música onde há diversos géneros musicais próprios, dos quais se destacam a morna e a coladera.

Recursos económicos:

Os recursos económicos de Cabo Verde dependem sobretudo da agricultura e da riqueza marinha. A agricultura sofre frequentemente os efeitos das secas.

As culturas mais importantes são o café, a banana, a cana-de-açúcar, os frutos tropicais, o milho, os feijões, a batata-doce e a mandioca.

A banana e a indústria das conservas de peixe, o peixe congelado, as lagostas, o sal e as confecções são os principais produtos exportados.

O sector industrial encontra-se em pleno desenvolvimento e podemos destacar a fabricação de aguardente, vestuário e calçado, tintas e vernizes, o turismo, a pesca e as conservas de pescado e a extracção de sal, não descurando o artesanato e a construção.

Assim, o comércio e o turismo, especialmente na ilha do Sal, produzem 69% do PIB. O sector secundário gera 17% do PIB. O país importa mais de 80% dos alimentos que consome.

Página da Presidência da República: www.presidenciarepublica.cv

Portal do Governo: www.governo.cv

Fonte: Portal Lusoafrica

República Portuguesa

Designação Oficial: República Portuguesa

Capital: Lisboa

Outras cidades importantes: Aveiro, Braga, Coimbra, Évora, Faro, Funchal (Madeira), Ponta Delgada (Açores), Porto, Setúbal

Data da actual Constituição: Aprovada em Abril de 1976. Revisões em Setembro de 1982, Julho de 1989, Novembro de 1992, Setembro de 1997, Dezembro de 2001, Julho de 2004 e Agosto de 2005

Unidade monetária: Euro (EUR

Lema: Pela pátria Lutar

Hino Nacional: A Portuguesa

Língua: Português

Gentílico: Português

Portugal fica situado na zona Ocidental da Península Ibérica e compreende ainda as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

Tem cerca de 10,605,000 de habitantes, sendo 5% dessa população, imigrantes provenientes do Brasil, Ucrânia, e de Cabo Verde, entre outros.

É um país desenvolvido, economicamente favorável, social e politicamente estável. Membro da União Europeia desde 1986, é um dos países fundadores da Zona Euro.

O território a Sul do Douro até ao Algarve era conhecido como Lustânia e veio a constituir a maior parte da província romana com o mesmo nome. Mais tarde invadido pelos Mouros, o condado de Portugal veio a ser estabelecido depois da conquista do Porto.

Com o fim da guerra, Portugal deu início ao processo de exploração e expansão conhecido por Descobrimentos.

O cabo Bojador foi dobrado por Gil Eanes em 1434, e a exploração da costa africana prosseguiu. Em rápida sucessão, descobriram-se rotas e terras na América do Norte, na América do Sul, e no Oriente. Em 1530 iniciou-se a colonização do Brasil.

Em Portugal continental, as temperaturas médias anuais são 13ºC no norte e 18ºC no sul. As ilhas da Madeira e dos Açores, devido à sua localização no Atlântico, são mais húmidas e chuvosas, e com um intervalo de temperaturas menor.

Portugal é reconhecido pela distinta literatura, como a poesia (Luís de Camões, Florbela Espanca, Cesário Verde), a prosa (Eça de Queirós, Miguel Torga); também a música, tendo o fado e folclore; e uma rica gastronomia, destacando os queijos, enchidos, e vinhos.

Recursos económicos:

A produção agrícola representa apenas 4% do PIB. A principal cultura é a uva, situando o país entre os dez primeiros produtores mundiais de vinhos de qualidade.

Batata, beterraba açucareira, arroz, legumes, hortaliças e frutas também são importantes produtos.

A abundância de sobreiros, especialmente a Sul do rio Tejo, faz de Portugal o maior produtor mundial de cortiça (cerca de metade da produção da cortiça mundial).

Na pecuária, destaca-se a produção de ovinos e, na pesa, a da sardinha. Embora o solo seja rico em muitos minerais, como pirite, tungsténio, estanho, ferro, carvão, urânio, volfrâmio, manganésio, sal, ouro, prata e cobre, mármore, a sua exploração comercial ainda é reduzida, por se encontrarem dispersos geograficamente.

Com um passado predominantemente agrícola, actualmente e devido a todo o desenvolvimento que o país registou, a estrutura da economia baseia-se nos serviços e na indústria, que representam 67,8% e 28,2% do VAB (Fonte: INE, 2004).

O sector industrial responde por 28% do PIB. As principais actividades concentram-se nos sectores têxtil, siderúrgico, metalúrgico, automobilístico e químico. Também têm importância as indústrias alimentares (conservas de peixe, vinho, cerveja e azeite), de calçados e de cerâmica.

O sector de serviços (destaque para o turismo) responde por 68% do PIB e por 60% dos empregos.

O comércio exterior é deficitário, pois as importações – petróleo, gás natural e alimentos, entre outros – são maiores do que as exportações.

Com vista a tornar-se mais auto-suficiente em produção energética, Portugal aposta nas novas energias e vai implementar, no norte do país, o primeiro parque mundial de aproveitamento da energia das ondas.

Página Oficial da Presidência da República: www.presidencia.pt

Portal do Governo: www.portugal.gov.pt

Fonte: Portal Lusoafrica

O País Lusófonia Política Economia Sociedade Desporto Educação Cultura Multimédia Saúde
Cultura Angola     Embaixadas Futebol        
Demografia Brasil   Turismo Serviços Basquetebol   Gastronomia    
Geografia Cabo Verde   As praias Emprego Ciclismo   Folcrore    
História Guiné Bissau   Ecoturismo Imobiliário Canoagem   Festas Locais    
Clima  Moçambique   A Capital Meteorologia  Clubes        
Fotos  Portugal      Tecnologia Taykwondo        
  Timor     Links Úteis Capoeira        
  S.Tomé e Príncipe       Xadrez        

© 2015 STP Digital Lda. Todos os direitos reservados. | Desenvolvimento por Albatroz Digital | Manutenção por STP Digital Lda | Termos e Política de Privacidade | Publicidade