Discurso de Sua Excelência o PR, Dr. Manuel Pinto da Costa

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República, Dr. Manuel Pinto da Costa,

no encerramento dos trabalhos do Diálogo Nacional

Palácio dos Congressos

29/03/2014

Compatriotas.

Ao iniciar a minha intervenção no encerramento do Diálogo Nacional permitam-me, desde já, que as minhas primeiras palavras sejam de congratulação sobre a forma como decorreram os trabalhos que hoje estão a chegar ao fim.

Quero congratular-me pelo exercício exemplar de cidadania que todos os que participaram nesta iniciativa deram.

Quero também enaltecer o exemplo de civismo, responsabilidade, disciplina e trabalho que o país pôde acompanhar, a par e passo, ao longo destes seis dias.

A forma como decorreu este Diálogo Nacional permite-me, desde logo, retirar uma conclusão simples.

O diálogo Nacional veio para ficar e, estou certo, constituirá um valioso instrumento estratégico ao serviço da grande coligação de vontades tão necessária ao desenvolvimento de São Tomé e Príncipe.

Quero, por isso, também, congratular-me por termos levado a bom termo esta iniciativa de tão grande exigência.

Concidadãos

Não vou falar muito porque mais do que palavras é tempo de agir.

É preciso agora trabalhar, muito e arduamente, para concretizar o sonho de que vos falei na abertura dos trabalhos: mudar São Tomé e Príncipe.

Como a riqueza das intervenções aqui produzidas demonstrou é possível encontrar, apesar das diferenças, os consensos necessários para a tão reclamada mudança, para fazer o país avançar rumo ao progresso e, assim, vencer, no mais curto espaço de tempo, o seu grande desígnio que é o combate à pobreza.

É possível renovar a esperança num país diferente, na reconciliação da família Santomense e num futuro de união, de paz, tolerância e liberdade, democracia, progresso e desenvolvimento.

É, sem dúvida, um grande empreendimento mas é possível acreditar que somos capazes de conseguir fazer do Século XXI, o século da afirmação de São Tomé e Príncipe, como país modelo, na sua região e em África.

Alguns dirão, porventura, que se trata de uma utopia, mas aos mais cépticos perguntaria apenas onde estaria a humanidade sem utopias.

Este é, em dúvida, um objectivo ambicioso mas que está ao nosso alcance porque se vencemos a escravatura e vencemos o colonialismo, saberemos mais uma vez vencer, com realismo, este grande desafio.

Um objectivo cuja grandeza é, por si só, suficiente para mobilizar todos, esta, as próximas gerações e, sobretudo, a nossa juventude que, tal como nós, precisa de causas e ideais.

Para o alcançar é preciso restaurar e cultivar o orgulho de ser Santomense, no que somos e no que queremos ser.

Concidadãos

O diálogo nacional mostrou que é possível unir as diferenças.

E quem ganha com essa união? É o país.

O diálogo nacional mostrou que é possível encontrar consensos na diversidade.

E quem ganha com os consensos? É o país.

O diálogo nacional mostrou que é possível debater olhos nos olhos, de coração aberto, livremente e sem reservas o futuro do país.

E quem ganha com esse debate? É o país.

O diálogo nacional mostrou que os cidadãos querem participar activamente no processo de desenvolvimento de São Tomé e Príncipe.

E quem ganha com essa participação? É o país.

Porque foi em nome do país e do interesse nacional que nos empenhámos na sua realização.

Como disse na sessão de abertura e volto a repeti-lo hoje no encerramento, o diálogo nacional não se realiza para impor nada a ninguém.

A força dos consensos obtidos depende acima de tudo da adesão voluntária desses entendimentos.

No final dos nossos trabalhos estou ainda mais firmemente convicto que os resultados alcançados, traduzidos em recomendações, são suficientemente mobilizadores para que possam ser assumidos por todos. Os que aqui estiveram e os que estiveram ausentes.

É nesse quadro que, perante vós e o país, quero assumir, claramente e sem ambiguidades, o compromisso de tudo fazer para que as conclusões do Diálogo Nacional venham a ser implementadas.

Um compromisso assumido no âmbito da magistratura de influência que constitucionalmente cabe ao Presidente da República, sempre no respeito pela separação de poderes e nas competências próprias de cada órgão de soberania.

A importância dos temas qui debatidos para o futuro do país, como sejam o reforço da democracia, o desenvolvimento económico, social e cultural, a consolidação da unidade social e a moralização da sociedade são fundamentais para que São Tomé e Príncipe encontre finalmente o caminho do progresso e da prosperidade.

O envolvimento de todos é mais do que uma mera condição para o sucesso, é um imperativo que não pode deixar ninguém indiferente.

É por isso que termino dizendo apenas:

- Estou seguro que São Tomé e Príncipe pode contar com todos nós.

Demografia
Demografia
Do total da população de São Tomé e Príncipe, com aproximadamente 187.356 habitantes (Censo 2012) [...] Foto:...
Venha Conhecer São Tomé e...
Venha Conhecer São Tomé e...
São Tomé e Príncipe é um destino ideal para conhecer uma África amável [...] Foto: Cruza Mundos São Tomé...
Ússua
Ússua
Nasceu no início do século XX, sendo uma dança praticada pelos "filhos da terra" de inspiração europeia:...
O País Lusófonia Política Economia Sociedade Desporto Educação Cultura Multimédia Saúde
Cultura Angola     Embaixadas Futebol        
Demografia Brasil   Turismo Serviços Basquetebol   Gastronomia    
Geografia Cabo Verde   As praias Emprego Ciclismo   Folcrore    
História Guiné Bissau   Ecoturismo Imobiliário Canoagem   Festas Locais    
Clima  Moçambique   A Capital Meteorologia  Clubes        
Fotos  Portugal      Tecnologia Taykwondo        
  Timor     Links Úteis Capoeira        
  S.Tomé e Príncipe       Xadrez        

© 2015 STP Digital Lda. Todos os direitos reservados. | Desenvolvimento por Albatroz Digital | Manutenção por STP Digital Lda | Termos e Política de Privacidade | Publicidade