×

Secções

Empresa

Idiomas

Entrevistas Notícias São Tomé e Príncipe

A voz de Angolares que ambiciona conquistar os palcos do mundo

(Imagem: Reprodução Celso "El fenómeno" Neves)

A cantora, de 34 anos, venceu o prémio de Melhor Artista Feminina nos STP Music Awards em 2017. Saiba mais sobre Any Moreira.

(Imagem: Reprodução Daniel Mendes)

Nascida no dia 1 de janeiro de 1984 em Angolares, no sul da Ilha de São Tomé, Any Moreira Batista começou a cantar no grupo coral infantil de CIAC (Centro Internacional de Arte e Cultura), quando tinha 15 anos. O grupo foi criado por João Carlos Silva e Guilherme de Carvalho era o instrutor. Em 1999, o grupo foi convidado para atuar no Gabão, Portugal e Espanha. Foram as suas primeiras experiências internacionais.

Em 2008, foi convidada para integrar o Grupo Tempo à convite de Nezó e Guilherme de Carvalho como segunda voz. Contudo, perceberam que a sua voz tinha potencial e convenceram-na a fazer, também, primeira voz.

(Imagem: Reprodução On TIME Entertainment)

Any Moreira é mãe de dois meninos, a quem tenta dedicar todo o seu tempo e amor. Contou ao STP Digital que tem sido complicado conciliar a carreira e a vida familiar, mas tem dado o melhor de si.

STP Digital – Qual o significado da música para si?

 A música é vida, é inspiração, é a minha grande companheira. A música está todos os dias na minha boca, em todos os momentos e lugares.

STP Digital – Como se sentiu ao vencer o prémio de Melhor Artista Fenimina no STP Music Awards?

 Foi a primeira vez que concorri e quando anunciaram o meu nome como vencedora eu não quis acreditar. Tanto é que nem sequer tinha um discurso de vitória preparado. Foi uma das surpresas mais belas e marcantes para mim.

STP Digital – Qual é o seu maior sonho?

Poder continuar a cantar e partilhar esse dom que Deus me deu, que é a minha voz, com o mundo.

STP Digital – E o seu maior medo?

 Ficar um dia privada de cantar. Privar um ser daquilo para o qual Deus o criou é matar a sua existência. É o que eu acho que acontecerá comigo se um dia eu não puder mais cantar.

(Imagem: Reprodução On TIME Entertainment)

STP Digital – Já alguma vez recebeu uma proposta indecente?

Já sim. O mundo da música é muito difícil para as mulheres, mais ainda quando os músicos vivem basicamente de ajudas e patrocínios. Eu aconselho as mulheres que desejam fazer música em São Tomé e Príncipe a terem caráter forte e nunca se submeterem aos convites indecentes e imorais, que podem acabar com a dignidade da mulher.

STP Digital – Quem são os seus cantores de referência?

Roberto Carlos, Matias Damásio, Rui Veloso, Calema, Élida Almeida e Guilherme de Carvalho.

STP Digital – Qual foi o momento mais marcante da sua vida?

 Para mim o momento mais marcante e de grande honra e orgulho foi ter representado São Tomé e Príncipe no Angola Music Awards este ano.

STP Digital – Apesar de integrar o Grupo Tempo, está a investir numa carreira a solo?

 Atualmente, sim. Não tenho projeto de criar nenhuma banda. Mas, também, não estaria fechada a uma possível proposta.

STP Digital – O que mais gosta de fazer quando não está a trabalhar?

Adoro rabiscar pequenos trechos musicais nos meus tempos livres, ir à praia e cozinhar.

STP Digital – Como é um típico dia na sua vida?

Geralmente, de segunda à sexta passo o dia entre ensaios e estúdio de gravação e atuações em hotéis e eventos. Aos fins de semana gosto de passar com a minha família em Angolares.

Encontrou algum erro neste artigo? Sugerir correção

Comentários

Comentar
error: Content is protected !!