×

Secções

Empresa

Idiomas

São Tomé e Príncipe Sociedade

Quem são os representantes de São Tomé e Príncipe no YALI 2018?

Conheça os três jovens sãotomenses que partem hoje rumo aos Estados Unidos da América para participarem no programa Jovens Líderes Africanos – YALI (Young African Leaders Iniciative).

YALI convida cerca de 1000 jovens líderes africanos para um programa académico de Verão, de seis semanas, nos Estados Unidos da América. Durante este período, os jovens vão interagir com o governo americano, comunidade civil, líderes empresariais e até com o Presidente Obama.

O programa inclui também workshops, cursos de orientação e contacto directo com líderes reconhecidos nas suas áreas de acção. Tem como foco as áreas de gestão pública, negócios e empreendedorismo e liderança. O programa vai ter lugar em vários campos universitários americanos e no final os melhores classificados terão direito a um programa de estágio nos Estados Unidos da América.

Annia Sousa

“Gosto de pensar em mim como uma líder “ainda em construção” do continente Africano”

Annia Sousa (29 anos), licenciada em Direito pela Universidade de Lyon II-França. É detentora de um Mestrado em Direito de Negócios pela Universidade Jean Monnet, também em França. Annia é jurista no Banco Central de São Tomé e Príncipe.

Já foi Assessora para área jurídica e relações internacionais do Ministro das Finanças. É membro fundadora da Fundação Novos Horizontes, co-fundadora e Vice-Presidente da Associação Internacional de Solidariedade Social, membro da ONG Galo Cantá e integrante da equipa organizadora do TEDxSãoTomé. Adora ler e voluntariar-se. Diz-se profundamente engajada e comprometida com a acção cívica.

“Gosto de pensar em mim como uma líder “ainda em construção” do continente Africano. Contudo, consciente das minhas limitações, considero ser necessário melhorar as minhas qualidades enquanto líder, empoderando-me de competências necessárias para potenciar, de forma eficiente, eficaz e sustentável, o progresso e o desenvolvimento da minha comunidade, em particular, e do país em geral, essencialmente na área cívica.”

E por isso mesmo decidiu participar no programa YALI, que considera ser o catalisador ideal para enfrentar este ambicioso desafio, onde é possível aliar a formação e experiência prática nos mais variados domínios.

Annia escolheu a área de Liderança Cívica e vai ficar durante 6 semanas na Universidade de Indiana em Bloomington, no Estado de Indiana. Depois fará ainda um estágio de desenvolvimento profissional de 6 semanas noutro local nos EUA.

Com a experiência adquirida no programa YALI, a jurista espera aprofundar os seus conhecimentos e alargar o seu leque de experiências em matéria de liderança, essencialmente com formação em temáticas como a gestão de organizações, de projectos, marketing social, comunicação, mobilização social, entre outras.

“Espero, igualmente, partilhar experiências com outros fellows africanos, aprender com eles, com as suas culturas, hábitos e fazer networking que permitirá, quiçá, galvanizar alguns dos projectos que tenho”, acrescentou ainda.

Annia pretende partilhar a sua expriência YALI com o país, essencialmente na área cívica.

“Eu tenho trabalhado nesta área, com o voluntariado já há alguns anos e agora de forma mais direccionada com a Associação Internacional de Solidariedade Social fundada com amigos, nomeadamente a Noemy Medina que é Presidente, a alma dessa associação, e eu Vice-Presidente. Trabalhamos essencialmente com crianças carenciadas e idosos. Temos projectos que gostaríamos de implementar para aumentar ainda mais o impacto positivo da nossa acção.”

Ibrahim Salvaterra

“Aquisição de conhecimento e partilha de experiência”

O jurista Ibrahim Salvaterra (35 anos), tem mais de 7 anos de experiência no sector de supervisão bancária, especialmente na inspecção bancária. Fora do seu trabalho profissional, tem vindo a prestar assessoria jurídica gratuita para algumas pessoas carenciadas em litígios judiciais.

Pretende fazer a justiça acessível a todos. Para tal, tenciona criar uma organização sem fins lucrativos para advogar nos tribunais em prol dos carenciados.

“Aquisição de conhecimento e partilha de experiência” é o que o motiva a participar no programa YALI. Ibrahim vai estar na Universidade de Geórgia durante 6 semanas. E espera aprender mais sobre Gestão Pública relacionada com o sector da Justiça, “e conhecimento suficiente para permitir-me instalar e administrar adequadamente a organização que pretendo criar”.

Higor Costa

“Ajudar-me para ajudar os outros”

Higor Tiny da Graça Costa (26 anos), licenciado em Administração na Fanor (Unifanor Wyden), regressou a São Tomé em meados de junho de 2016. Desde então vem procurando encontrar soluções que possam dar resposta aos problemas mais prementes da sociedade sãotomense, tendo como alvo específico o desemprego e o crescimento económico. O seu foco é o empoderamento de empreendedores e ideias empreendedoras com conhecimento e ferramentas que os permitam realizar as suas visões de negócio dentro de um mercado em que o sucesso empresarial é muitas vezes insustentável.

Higor almeja erradicar o desemprego e ver a economia crescer tendo as pequenas e médias empresas como um dos principais propulsores desse crescimento. O jovem empreendedor também leciona a disciplina de Inglês no Liceu Maria Manuela Margarido, onde tenta impulsionar os alunos na aprendizagem da língua que se revela cada vez mais necessário no mercado.

Inscreveu-se no YALI por identificar no programa uma oportunidade de ampliar e afinar as suas habilidades e conhecimentos no ramo dos negócios e aprimorar as suas características como líder.

Higor vai ficar em Dartmouth College durante 6 semanas. “Me darei por satisfeito se conseguir assimilar todos os conhecimentos disponibilizados durante todo o programa e, no processo de networking conseguir criar relações profissionais duradouras e com potencial de fruição”, disse o empreendedor.

Um dos seus lemas é: “ajudar-me para ajudar os outros”. Higor explicou que este lema orienta todas as suas acções. Espera adquirir todos os conhecimentos que precisa, para depois fazer valer todos esses conhecimentos ajudando outras pessoas. “Nesse caso específico tentarei impactar positivamente o ramo empreendedor de São Tomé e Príncipe”, concluiu o também professor de inglês.

Após conclusão do curso, todos os participantes serão envolvidos em projectos de continuidade do programa, tais como engajamento da juventude africana através de redes de contacto internacionais, estágios e/ou pequenos subsídios que os ajudem nos seus projectos e a manter fortes laços com os Estados Unidos da América.

O programa YALI foi criado pelo Presidente Barack Obama no intuito de capacitar jovens africanos através de um curso de curta duração nos Estados Unidos da América, com acompanhamento pós-curso, que ajuda os jovens a colocarem em prática o que aprenderam quando regressam aos seus países de origem.

Encontrou algum erro neste artigo? Sugerir correção