×

Secções

Empresa

Idiomas

Cultura TEDxSãoTomé

MC Karboss: “Não podemos continuar a ser meras cobaias, marionetas e bodes expiatórios” | TEDxSãotomé

MC Karboss (25 anos), é o nome artístico de Gilson Tavares Neto da Conceição, umas das vozes mais conhecidas da nova geração da música sãotomense.

Integrou o grupo cultural “Bulawe Super Star”, do qual era o principal vocalista. Criou, com amigos, os GMC um grupo de rap, nomeado, para a categoria de melhor grupo de Rap Nacional no concurso STP MUSIC AWARD em 2016.

O rapper que, recentemente, começou a dar os primeiros passos na carreira solo contou ao STP Digital um pouco sobre o seu percurso musical e falou também sobre a sua participação no TEDxSãoTomé 2018, que acontece já no próximo sábado, no Museu Nacional.

Natural de São Tomé, Karboss deu os seus primeiros passos no mundo da música aos 13 anos quando ainda estudava no Liceu Nacional da capital. “O interesse pela música surgiu de uma forma muito natural, foi um processo contínuo de influências. E desses primeiros contactos com os géneros artísticos tradicionais, como “Bulaûe” e outros, fui conhecendo pessoas, amigos que me puxaram para outros estilos diferentes. Fui me tornando um artista cada vez mais versátil e dinâmico, com capacidade de me aventurar no mundo da música, desde rap, kizomba, R&B aos Afros.”

Não sabe dizer que estilo gosta mais. “Até hoje é difícil para mim  identificar-me com um estilo apenas, ou adotar uma preferência peculiar. Gosto de tudo quanto é música. O “MC” no meu nome artístico pode me denunciar e ligar-me muito ao Rap. Contudo, para o desconhecimento de muitos gosto mais de músicas com componentes líricas, como o fado português, a morna caboverdiana, ou até aos slows, e dance halls. Todavia, tenho me pautado muito pela kizomba nos últimos tempos, face as exigências do mercado.”

O jovem artista diz que se inspira nos instrumentais, os ritmos das músicas, e a sensação que estes lhe transmitem. “Dizem por aí que os artistas baseiam-se na observação do mundo à sua volta para se inspirarem. Comigo isso não funciona rigorosamente assim, a minha inspiração vem muitas das vezes de dentro para fora, e não ao contrário. Me resigno  muito “ao meu mundo”, ao meu estado de espírito.”

O ativista norte-americano, Martin Luther King,  que lutou contra a discriminação racial e tornou-se um dos mais importantes líderes dos movimentos pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos da América é o seu herói. Na lista das suas influências artísticas tem nomes como o português Tony Carreira, o rapper também português Agir e o seu ídolo – o angolano Dji Tafinha.

Este ano foi convidado para atuar na quinta conferencia do TEDxSãoTomé, o que para ele é motivo de muito orgulho e também “um sinal positivo, que ando no bom caminho. Porém, significa também uma grande responsabilidade.”

À propósito do tema deste ano da conferencia, Re|Evolução, perguntamos-lhe o que gostaria de re|evolucionar em São Tomé e Príncipe.

Re|evolucionar  a sociedade civil! Torná-la mais ativa, como forma de atenuar o poderio das influências político-partidárias, no seio da sociedade sãotomense. Uma re|evolução de mentalidades da juventude. Não podemos continuar a ser meras cobaias, marionetas e bodes expiatórios, manuseados ao belo prazer pelos “carrascos políticos” e detentores do monopólio económico. Temos que construir uma comunidade forte, com o que eu costumo denominar “jovens futuros”.”

“Até hoje sofremos com esse conformismo, a ideia de deixar acontecer para ver como fica, ninguém  emancipa-se assim. Vivemos quase que num marasmo, num país como se diz nos eloquentes discursos: país de tudo, beleza natural, solo fértil, riquezas, recursos humanos, situação geográfica favorável, em suma, uma série de fatores que deveriam ser motivadores. No entanto, acabamos por nada, ou quase nada fazer porque ainda continuamos à espera. Somos um país de tudo e nada, como foi abordado pelo tema do TEDxSãoTomé 2015. Esse tema daria uma excelente música. Nomeadamente, um bom rap intervencionista com críticas sociais construtivas.” – acrescenta Karboss.

É um jovem cheio de sonhos. Como artista o seu sonho é um dia produzir o seu primeiro álbum original, promove-lo e levar o seu trabalho além fronteiras. Também deseja muito pertencer a uma banda musical. “Outro grande sonho meu é fazer o meu mestrado e contribuir na minha área para o  desenvolvimento do meu benquisto país.”

Calulu ou Cozido de Banana? “Nenhum dos dois. Os meus pratos preferidos são feijoada  e arroz acompanhado de peixe ou carne.”

Se lhe fossem concedidos três desejos, Karboss gostaria de “Primeiro: ver desvendado o enigma sobre a existência de Deus e sobre a teoria divina da existência ou não do fim do mundo. Segundo: ver perdoado todos os meus pecados. E terceiro: viver num mundo à imagem do que Deus  projetou quando criou o primeiro homem e a primeira mulher – Adão e Eva. Mundo justo, perfeito, sem guerras, nem  doenças, e outros males que nos afetam. Viver eternamente.”

Encontrou algum erro neste artigo? Sugerir correção