Cultura S. Tomé e Príncipe

Gulbenkian destaca o papel da mulher no Tchiloli: tradição de São Tomé e Príncipe

Tchiloli
Tchiloli © Inês Gonçalves

O Tchiloli é uma tradição secular em São Tomé e Príncipe, aborda sobre  traição e amor, com dança e tambores, conjugados com uma euforia de um povo que não consegue ficar indiferente a essa manifestação cultural. Nos bastidores das emoções do povo e agentes culturais existe um temor do seu desaparecimento, dado aos sinais vigentes. 

Em tempos longínquos uma personalidade, um grande e contínuo embaixador das ilhas, que levou o sabor das ilhas, a paisagem das roças  com a sua criatividade e tacho, sonhou que esta manifestação cultural poderia ser um património mundial da UNESCO. 

rumores que a intenção e os passos para isso estão em marcha, a esperança também. 

Mas que papel desempenham então as mulheres nesta tradição? A resposta vem plasmada no segundo episódio dedicado ao Tchiloli, numa série documental realizada por Inês Gonçalves e apoiado pela Fundação Gulbenkian. 

Em suma: 

“Algumas ficarão em casa, a cuidar dos filhos durante o espetáculo. Outras participam fora do palco, ajudando os homens a vestir-se ou trazendo-lhes água. Outras, ainda, tocam instrumentos como o chocalho ou o sino.” 

No episódio também é destacado e reconhecido os direitos iguais que as mulheres têm em comparação ao tempo medieval da qual origina a tradição. 

“ Cabe exclusivamente aos homens representar o papel de todas as personagens destas histórias: até mesmo os das mulheres.” 

Assista na integra o 2º episodio  e o 1º episodio , ambos da autoria da fotógrafa e realizadora Inês Gonçalves, é um retrato fiel da tradição e dos seus protagonistas

A iniciativa está enquadrada segundo o site da Gulbenkian no projeto “(Re)Criar o Bairro”, da ONGD Leigos para o Desenvolvimento, que tem como objetivo a valorização de produtos associados ao património cultural do Bairro da Boa Morte, em São Tomé, através das artes performativas, visuais e da tecnologia.