Cultura S. Tomé e Príncipe

Xexa visita São Tomé e Príncipe pela primeira vez

Fotografia do artista angolano Rafael D'Oliveira

Xexa, de 22 anos, é uma artista multidisciplinar que trabalha com imagem e som. É produtora, compositora, cantora e sound designer. No mês passado, visitou São Tomé e Príncipe pela primeira vez. Um encontro com as suas origens.

Xexa nasceu e cresceu em Lisboa, em Sacavém (na Quinta do Mocho), onde cresceu rodeada pela comunidade e cultura africana dos PALOP.

Aos 10 anos começou a estudar música no Conservatório Regional Silva Marques, onde aprendeu a tocar piano clássico, e coro de repertório maioritariamente europeu. Com 16 anos deu início ao curso de Ourivesaria na escola Artística de Lisboa, António Arroio.

Segundo a cantora o nome artístico Xexa, surgiu do seu próprio nome: Vanessa. No início da sua carreira (em 2017), o seu nome artístico era XEXA Records.

“Records de recordação e ou registo, ficando assim recordações ou registos da Xexa. Uso somente Xexa agora porque acho que é mais fácil”, explicou Xexa.

Fotógrafo Renato Miranda Chorão

A artista esteve pela primeira vez em São Tomé neste último mês.

“Foi a minha primeira vez na ilha. Fiz esta viagem para puder conhecer vários familiares meus e reconectar com membros da minha família ao qual não via há mais de 10 anos. Tenho muita família Santomense em Portugal, mas certos primos e tios que só pude conhecer em São Tomé”.

O motivo desta viagem não foi somente familiar. Xexa quis também conhecer e entrar em contacto com a cultura de São Tomé e Príncipe.

A paixão pela arte da composição sonora surgiu da necessidade que a artista sentiu de haver mulheres compositoras, produtoras e sound designers na Indústria da música a nível mundial. Com o intuito de fazer a diferença, começou a aprender produção musical de forma autodidata em finais de 2017, usando o FL Studio, na altura.

Xexa procura explorar ritmos africanos porque a cultura e os ritmos africanos sempre estiveram presentes na sua vida. Mais do que isso, ela própria sente-se parte dessa cultura.

“Música africana está presente nas minhas primeiras memórias de infância e é muito importante para mim”, diz Xexa.

A nível de referências musicais, Xexa diz que procura não seguir estilos e noções de género musical de como a música deve ser feita nem dos seus componentes.

“A minha maior referencia musical eu diria que são todos os artistas e géneros musicais que cresceram na resistência. Não te posso nomear somente um artista, posso dizer alguns, Africa Negra, Sun Ra, Jaubi, Sons of Kemet, entre vários outros”.

Fotógrafo Gonçalo Gouveia

Xexa por ser uma artista multidisciplinar vem trabalhando em diversas áreas. Já produziu música para a ModaLisboa de Portugal, música original para curta-metragens de amigos artistas. Compôs ainda para a orquestra que acompanhou um filme silencioso em Londres que passou no Barbican Centre em Agosto de 2021, entre outros projetos colaborativos.

“Sinto que não há limites para o que poderei fazer com a minha música sound design”, admitiu a artista.

As suas músicas são lançadas em todas as plataformas musicais de streaming bem como no Soundcloud e no Bandcamp, onde pode ser feita a compra da sua Mixtape “Calendário Sonoro de 2021”, bem como as composições que fez para o designer Ivan Hunga Garcia para os seus desfiles na Lisbon Fashion Week SS22 e FW23. Sobre a música que faz mais sucesso a artista disse:

“Não digo que é a mais ouvida porque pode não ser, mas quem ouve e tem escutado os meus concertos tem me dito que a minha música chamada “Novembro: Prendes Nh’alma‘’ tem crescido nos seus corações”.

Fotógrafo Renato Miranda Chorão

 Os seus Shows são agenciados pelaFilho Único”, organização que faz o agenciamento de artistas em Portugal. E o booking é feito pelo André Ferreira. Atualmente Xexa reside em Londres, onde está a concluir o curso de Artes do Som na universidade Guildhall School of Music and Drama (GSMD). Mas viaja regularmente para Portugal a trabalho.

 “Em relação à minha carreira musical e artística, eu não sonho. Eu tenho objetivos, patamares e etapas que quero e espero atingir. Desde o lançamento de projetos musicais em formatos álbum como também a nível de filmes e instalação. O sound design é bastante maleável e toca várias frentes que tenho interesse em explorar”.

Portanto, dszXexa tem como um dos objetivos continuar a compor e produzir música, e desenvolver a sua identidade artista. Outro objetivo é que as suas músicas possam impulsionar e talvez influenciar a comunidade PALOP que está espalhada pelo mundo.

“Espero também que a arte de fazer som continue a se desenvolver e que o sound design, que é a arte de desenhar com som se desdobre e ganhe várias expressões artísticas. Espero muito puder ajudar com a minha música” conclui a artista.

 

 

Sobre o Autor

Jaquilza Gomes

Jaquilza Gomes é licenciada em Língua Portuguesa pela Universidade de São Tomé e Príncipe (FCT/USTP). Participou na criação da obra conjunta “Ilhas de Palavras”. Nas horas livres dedica-se ao desenho, escrita, poesia, contos e reciclagem.

error: O conteúdo está protegido!!