Economia Sociedade

Trabalhadores da Agripalma entram em greve por aumentos salariais e melhoria de condições laborais

Agripalma
A maior unidade industrial de São Tomé e Príncipe, Agripalma, observa há três dias uma acção de paralisação na sequência de uma greve dos trabalhadores de campo que reivindicam melhoria de condições laborais e um aumento de salário.

A empresa franco/belga reúne cerca de 850 trabalhadores, sendo responsável pela produção de óleo de palma exportado pelo País para diversas partes do Mundo, das quais a União Europeia, a Suíça e a República popular da China na Ásia.

Fonte do Ministério do Trabalho disse que uma reunião conciliatória entre a Direcção dessa unidade fabril e os Sindicatos falhou esta quinta-feira, devido ausência dos membros do Conselho de Administração da Agripalma.

Além de melhoria de condições de trabalho, os grevistas reivindicam um aumento salarial na ordem de 100%.

Agripalma, que entrou em actividade à 12 de Dezembro de 2019 é um empreendimento com capitais da sociedade belga Socfinco, parte do grupo Francês Bolloré, com uma pequena participação do Estado São-tomense.

A unidade Fabril que explora uma área de 1.011 hectares de terra, tem a capacidade de produzir cerca de 10 mil toneladas de óleo por ano.

Agripalma dista ao sul da cidade de São Tomé cerca de 61 km.

Fonte: STP Press

Sobre o Autor

Redação

Diário digital generalista, que prima pelo jornalismo exigente e de qualidade, orientado por critérios de rigor, isenção e criatividade editorial. Acreditamos que a existência de uma opinião pública informada, activa e interveniente é condição fundamental da democracia.

Não tem permissão para copiar o texto! Obrigado.