Sociedade

Activista social Adelcio Costa percorre o país eliminando os focos de desperdício de água potável

Adélcio Costa
© Óscar Medeiros (VOA)
Com meios próprios ou com o apoio de associações e pessoas de boa vontade, Adélcio Costa, anda de localidade em localidade substituindo torneiras avariadas em chafarizes e lavandarias públicas evitando o desperdício de milhares de litros de água potável.

“Comecei com meios próprios, usando uma parte do meu salário para comprar as torneiras (…)”, diz o activista Adelcio Costa.

Com esta iniciativa o Jovem, jurista, professor e árbitro de futebol pretende mudar a mentalidade de uma boa parte de São-tomenses, que segundo ele, ainda mantém a ideia de a água não acaba.

“No nosso país, água é sinônimo de desperdício. Em muitos lugares públicos e privados há sempre uma torneira aberta ou avariada. As casas de banho desperdiçam água. Chafarizes e lavandarias públicos, já nem se fala. Tudo isso num país onde em várias localidades há problemas de fornecimento de água” lamenta o ativista.



A luta de Adelcio Costa contra o desperdício da água já dura alguns meses, e ganhou novos aliados.

“Comecei com meios próprios, usando uma parte do meu salário para comprar as torneiras, mas depois de divulgar esta ação na minha página do Facebook, algumas associações, sobretudo na diáspora, e pessoas de boa vontade também decidiram juntar-se a mim”.

Entretanto como em todas as lutas este ativista também enfrenta alguns obstáculos.

“Tem havido pessoas de má fé, com interesses obscuros. Em alguns sítios eu coloco as torneiras passados alguns dias as pessoas arrancam” critica o ativista que também agradece a colaboração da população em muitas localidades, onde já travou o desperdício de milhares de litros de água potável em lavandarias e chafarizes públicos.

Artigo originalmente publicado no VOA Português – Voz da America

Sobre o Autor

Redação

Diário digital generalista, que prima pelo jornalismo exigente e de qualidade, orientado por critérios de rigor, isenção e criatividade editorial. Acreditamos que a existência de uma opinião pública informada, activa e interveniente é condição fundamental da democracia.

Don`t copy text!