Desporto Entrevistas

Gorete Semedo: Determinação e Sonhos no Atletismo

Gorete Semedo

Gorete Semedo tem 26 anos e é a cara da campanha 4G de uma das operadoras de telecomunicações em São Tomé e Príncipe. A velocista santomense de 60/100/200/400 metros bateu, recentemente, o recorde de São Tomé e Príncipe com o incrível tempo de ‘37:85, na sua primeira competição de ar livre. Foi uma prova de 300 metros, que teve lugar em Lisboa, na qual Gorete foi a primeira classificada. Se a atleta fosse portuguesa seria também o recorde de Portugal.

Gorete Semedo tem conquistado destaque no cenário desportivo internacional e enchidos os santomenses de orgulho. Com apenas 15 anos, ela foi selecionada para fazer parte da seleção nacional de atletismo e desde então tem trilhado um caminho de sucesso e superação.

Nesta entrevista exclusiva ao STP Digital, Gorete falou sobre o início da sua jornada no atletismo. Ela revelou que sempre teve afinidade com a modalidade, motivada pela admiração pela sua irmã Eurídice Semedo, antiga recordista nacional e atual Ministra da Juventude e Desporto de São Tomé e Príncipe.

Gorete Semedo

“Eu já gostava de atletismo por causa da minha irmã Eurídice, que era uma grande atleta de STP e eu acompanhava os treinos dela. Dizia que quando crescesse queria ser como ela.”

Aos poucos, Gorete se destacou nas corridas na escola e, com o incentivo do seu professor de educação física, decidiu dedicar-se ao atletismo. No entanto, a falta de apoio e boas condições de treino sempre foram os seus principais desafios. Vinda de uma família humilde, enfrentou dificuldades em financiar as necessidades básicas para treinar como uma profissional, como transporte, alimentação e materiais.

Em São Tomé e Príncipe, as competições são limitadas e as marcas nem contam para o Word Atletics porque as condições não atendem aos requisitos para eventos internacionais, impossibilitando o reconhecimento das marcas alcançadas.

Gorete Semedo

Mudança necessária

Buscando oportunidades para aprimorar as suas habilidades, Gorete foi em busca de novos horizontes e encontrou no Benfica, um dos maiores e melhores clubes de Portugal, a oportunidade de realizar o seu sonho. A mudança proporcionou-lhe acesso a condições adequadas de treino em alto nível, o que fez toda a diferença no seu desenvolvimento como atleta.

A velocista também ressaltou a importância das redes sociais na sua jornada. Utilizando-as para compartilhar seus resultados, competições e um pouco da sua vida como atleta, Gorete acredita que essas plataformas podem ser uma ferramenta poderosa para promover os atletas nacionais. Ela expressou o desejo de que São Tomé e Príncipe desenvolva programas e desafios para promover o reconhecimento e o apoio aos atletas nacionais, permitindo que eles sejam mais conhecidos e valorizados pelo país e pelo povo.

“Quando comecei a competir a nível internacional, eu me deixava afetar muito pela pressão dos outros e pela minha própria pressão e tudo corria mal”

Gorete Semedo

Ao longo da sua carreira, Gorete aprendeu a lidar com a pressão e a superar as adversidades. Hoje, ela consegue controlar as emoções e focar no seu desempenho.

Paris 2024

O seu maior sonho como atleta é ser campeã africana e tornar-se uma atleta olímpica.  Gorete já está a preparar-se para os Jogos Olímpicos de Paris 2024. Para tal, a velocista conta, desde o ano passado, com uma bolsa olímpica financiada pela Solidariedade Olímpica através do Comité Olímpico de São Tomé e Príncipe.

Gorete treina de segunda a sábado, de duas a três horas por dia. Ela mantém a motivação ao acompanhar seus resultados e recebe o apoio do seu treinador, que está sempre atento a todos os detalhes e a incentiva durante os treinos.

“No início, nas minhas competições em Portugal, eu não sabia lidar com a derrota. Quando perdia uma prova ficava desanimada”

Além dos seus próprios desafios, Gorete também refletiu sobre a realidade do desporto no nosso país. Segundo a velocista, a falta de meios e condições de treino tem desencorajado muitos jovens a praticar desporto no país. Gorete disse que a falta de apoio e motivação são os principais obstáculos, sendo que muitas vezes as meninas são desencorajadas a praticar desportos considerados “para meninos”.

Olhando para o futuro, Gorete expressou preocupação com o destino do atletismo em São Tomé e Príncipe. Sem o devido apoio e oportunidades, muitos jovens talentos são obrigados a emigrar e representar outros países que lhes oferecem melhores condições. Foi o caso da antiga atleta, Naide Gomes. E, muito provavelmente, é o que acontecerá com Gorete mal adquira a nacionalidade portuguesa.

Para os jovens atletas santomenses que sonham em seguir os passos de Gorete, ela deixa uma mensagem de encorajamento. “Nunca desistam nem que tenham de vir treinar para um outro país”, disse a atleta. Ela enfatizou a importância de sempre darem o melhor de si, nunca deixarem de sonhar e acreditarem que um dia alcançarão os seus objetivos.

Gorete Semedo é um exemplo inspirador de determinação e perseverança. Com a sua dedicação ao desporto, ela está a colocar São Tomé e Príncipe no mapa do atletismo mundial, abrindo portas e inspirando uma nova geração de atletas a perseguirem os seus sonhos.

Sobre o Autor

Katya Aragão

Licenciada em Ciências da Comunicação e Cultura – Comunicação e Jornalismo pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Lisboa, Portugal), atualmente é jornalista de profissão, curiosa por natureza e produtora por paixão. Gosta de aprender sobre tudo o que a rodeia, é uma leitora-em-série, acredita no poder dos sonhos e das grandes ideias. É editora chefe do STPDigital.net, organizadora do TEDxSãoTomé, activista na ONG Galo Cantá, da qual foi fundadora e presidente.

0 0 votes
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
error: O conteúdo está protegido!!