Sociedade

“Os Emigrantes” – A peça de teatro protagonizada por dois Santomenses em Portugal

Está em cena, até 17 de julho, em Oeiras (Portugal) – no Auditório Municipal Eunice Muñoz – a  peça “Os Emigrantes” de Slawomir Mrozek. Com direção de Celso Cleto, esta peça de teatro é protagonizada por Ângelo Torres e Juelce Beija Flor, dois atores Santomenses residentes em Portugal.

 

Ângelo Torres é ator premiado, storyteller e realizador santomense.  Protagonizou o filme “Ilha dos Escravos” ao lado da atriz brasileira Vanessa Giácomol, do Diogo Infante e do Francisco Manso. Foi o inesquecível vilão da telenovela portuguesa “A Única Mulher”. Integrou os filmes: “Tudo isto é Fado”, “Nha Fala” e “Preto e Branco”. Fez parte do elenco das peças: “A Varanda de Frangipani”; “Mar Me Quer”; “Sorrisos de Bergman”. E foi eleito “Shooting Star” (ator revelação) 2004 em Portugal.

“Os Emigrantes” resurgiu da vontade de dois “velhos amigos” voltarem a trabalhar juntos: “Eu e o Celso somos amigos de longa data, e já tinhamos feito esta mesma peça há 25 anos atrás”– disse Ângelo Torres. Foi então, numa corvesa telefonica, que o Celso lançou-me o desafio de trabalharmos juntos num projeto com foco para São Tomé e Príncipe – acrescenta.

Segundo Ângelo, a ideia inicial era fazer um “Romeu e Julieta” com um elenco misto (3 atores Santomenses e 3 Portugueses), em que depois analisava-se em qual das duas nacionalidades seriam enquadrados “ o Romeu e a Julieta”.

Mas por questões de “emigração” (uma vez que teriam que levar atores santomenses à portugal) viram-se impossibilitados de proseguir com a ideia. Foi então que decidiram fazer uma adaptação de “Os Emigrantes” com um pouco de Santomensidade.

A peça, adaptada nos finais dos anos 50 / inicio dos anos 60,  retrata factos relacionados com a emigração: “É uma peça universal que fala de qualquer emigração através da representação de dois personagens. Um é o “Emigrante Economico”  que é obrigado a sair da sua terra em busca de condições para sustentar a sua familia, e o outro  é o “Emigrante Político” que teve que fugir do país porque era perseguido – explica Ângelo Torres.  Hoje, já não há perseguição política, mas muitos ainda deixam o país por não concordar com a política ou com as decisões economicas que o país segue  – acrescentou o ator.

A peça que já havia sido protagonizada por Ângelo Torres, conta agora com o novo rosto de Juelce Beija Flor que também já conhecia o Ator de outras paragens:  “Conheci o Ângelo quando ainda estava em São Tomé. Ele foi meu mentor quando fui selecionado para fazer parte do elenco de um projeto da Katya Aragão para a TVS” – afirma.

Juelce Beija Flor é um jovem ator santomense, residente em Portugal há quase 3 anos, onde se licenciou em teatro, mas foi em São Tomé onde deu os primeiros passos no mundo das artes teatrais.

“Comecei em 2013, na oficina de formação de atores para TVS, e de seguida formamos um grupo teatral, do qual Laurindo Vicente e o falecido Nelson Vaz do Txiloli Formiguinha foram os instrutores. Depois, integrei-me no fluxo da “CACAU Teatro”  do qual o João de Melo Alvim foi o encenador, e em 2015-2016 fundei o meu próprio grupo “Sorriso Negro”, e foi com a bolsa do projeto PROCULTURA que depois vim para portugal e me formei em Teatro e Artes Performativas.” – explica Juelce.

Para Juelce, participar da peça “Os Emigrantes” tem sido uma experiência muito boa e bastante proveitosa: “ Ter a oportunidade de trabalhar com Celso Cleto e Ângelo Torres, dois grandes profissionais e pessoas com muita experiência, é uma honra e também uma responsabilidade muito grande – afirma. E acresce ainda mais a minha vontade de fazer e dar o meu máximo para tentar equilibrar a bagagem que o Ângelo já tem (a sua carreira) e também tentar dar resposta com o que eu tenho e mostrar ao Ângelo que absorvi todo o ensinamento que ele me passou” – conclui.

Contudo, o jovem ator também reconhece os desafios: “Um dos desfios muito grande nesta peça para mim é o facto dela unir tragédia, comédia e  drama ao mesmo tempo. Então a peça acaba por assumir um registro um pouco diferente daquilo que já estou habituado a fazer. Mas até então acredito estar a responder àquilo que a minha personagem exige”– explica.

A viagem por diferentes cenários vividos por Ângelo Torres e  e Juelce Beija Flor levou o público a rir e a emocionar-se com a representação nua e crua de uma temática muito importante, a emigração, levando o público a uma refleção profunda sem perder o humor.

O espetáculo, que está atualmente a decorrer em Portugal tem previsão de passar por São Tomé brevemente: “Esperamos estar em S.Tomé entre Outubro/Novembro, e lançar também a base para o projeto que temos de criar um grupo de teatro no país afrima Ângelo Torres. Estamos numa nova era e é necessário pensar e fazer mais em São Tomé, com São Tomé, e para São Tomé” – conclui.

 

A peça “Os Emigrantes” começou no dia 8 de julho e termina já no dia 17.

Horário dos Espetáculos: 

  • Dias 8, 9, 11, 12, 13, 14, 15 e 16 de julho: 21H30
  • Dias 10 e 17 de julho (domingos): 17H00

Classificação: para maiores de 16 anos

Sobre o Autor

Akaisa Borges

Akaisa Borges, é uma jovem versátil de espirito aventureiro, licenciada em Gestão de Empresas pela University of International Business and Economics (UIBE), Beijing, China. Actualmente é assistente de comunicação de marketing na empresa Tela Digital Media Group, apaixonada por arte, cultura e marketing. Ela acredita na lei da atração e está em constante busca por novos desafios.

error: O conteúdo está protegido!!